Cromoterapia  Por uma vida mais colorida

A Cromoterapia é o uso da energia das cores para a harmonização e equilíbrio do indivíduo.

A energia do sol era utilizada pelos egípcios, hindus, chineses e gregos, vários séculos antes de nossa era ( ou antes de Cristo, como preferir). Segundo os chineses, a cor é o que define a existência das coisas para nossos olhos, nossa primeira porta para o mundo. Os gregos veneravam o Deus Hélio ( o sol), considerado como “o olho do mundo”, aquele que tudo vê. Os egípcios, por sua vez, possuiam templos de cura baseados no uso da luz solar, associados a complementos coloridos, e banhos de sol de acordo ao estado da pessoa e às estações do ano. Os hindus, cultivavam Surya , o Deus- sol, e segundo os hindus, recebemos o Prana ( energia vital) contida no ar que respiramos.

Cromopuntura

Figura

Hoje, a Cromoterapia vem ganhando muita popularidade. A cor é utilizada para curar e ajudar muitas pessoas doentes e estressadas.

Nosso corpo absorve a energia das cores pela vibração que elas emanam. Todos os orgãos, sistemas e funções do corpo, são conectados a centros de energia principais. Todas as pessoas tem 7 centros de energia, chamados Chakras, e cada centro corresponde a uma das sete cores energéticas. Pleas cores nós recebemos a energia que necessitamos para manter um corpo e mente sadios. Quando algo está errado, ou em desarmonia, podemos fortificar nossos centros de energia, pelo uso consciente da cor.

A luz consiste de 7 cores principais de energia: Vermelho, Laranja, Amarelo, Verde, Azul, Índigo e Violeta.

Uma das maneiras que o cromoterapeuta utiliza para diagnosticar o paciente é através da análise de sua Aura, que reflete o estado de equilíbrio em que nos encontramos. A cromoterapia produz mudanças na Aura utilizando diferentes técnicas:

Luz artificial e Filtros coloridos- tratamento feito à base de lâmpadas de cores diferentes.

Água cromatizada- tratamento feito a partir da água energizada pelos raios solares em recipientes de diversas cores.

Alimentação- tratamento feito à base dos alimentos e suas diferentes cores.

Meditação e visualização- tratamentos baseados em exercícios de auto- equilíbrio e visualização de cores.

Vestuário- as cores das roupas que usamos e a influência em nossa personalidade.

 

Origens da Cromoterapia

Todos os seres que vivem na superfície da terra, em ambientes iluminados pelo Sol, vivem em um ambiente colorido. Os animais e vegetais usam as cores como importantes veículos de informação: pássaros e insetos costumam selecionar flores e frutos de acordo com sua cor, que geralmente é um bom indicador de diferenças entre vegetais alimentícios e venenosos; os insetos costumam proteger-se de predadores adotando cores que os confundam com as plantas ou que sugiram que são um alimento venenoso. Mesmo os grandes animais, como os ursos, as raposas e as focas, utilizam as cores para proteger-se: os animais que vivem em regiões frias, periodicamente recobertas por neve ou gelo, geralmente trocam seu pêlo escuro por um pêlo claro quando chega o inverno, ou são sempre brancos, como os ursos polares; o filhote de foca, que vai viver por algum tempo em terra firme (ou melhor, em gelo firme), é coberto por pêlos brancos, que só escurecem ao atingir a idade adulta, quando terá facilidade de mergulhar na água para fugir dos predadores.

As cores também são usadas, dentro de uma mesma espécie, para facilitar a procriação. Por exemplo, as flores que dependem de insetos para que o pólen seja transportado até os óvulos são geralmente bem coloridas, algumas até imitando a forma e a cor da fêmea de uma espécie de inseto, para melhor atrair os que pensam que este é um possível parceiro sexual. No mundo dos invertebrados, é freqüente encontrarmos fêmeas grandes e vistosas (como as das aranhas), que atraem machos pequenos e incolores. Entre os vertebrados, a norma é que o macho é que precisa atrair a fêmea para a reprodução, seja muito mais colorido e vistoso: basta comparar o galo e a galinha, o leão e a leoa e vários pássaros para notar isso. Mesmo com os peixes essa diferença ocorre: entre certos peixinhos de rio, as fêmeas são pretinhas ou cinzentas, enquanto os machos são grandes e multicolores.

Mergulhada nesse mesmo ambiente, a espécie humana utilizou, desde o início de sua evolução, as cores como meio de comunicação. O barro vermelho e branco, o suco de frutos pretos, roxos, rosados e amarelados; as cinzas, as secreções de insetos, ervas diversas, que tingem a pele, e outros materiais corantes fazem parte do mais antigo acervo técnico da humanidade. No início foram utilizados para tingir o corpo e os cabelos, geralmente como parte de rituais religiosos ou guerreiros que exigiam a execução de desenhos no corpo; ou para colorir pinturas feitas em paredes ou objetos de barro, madeira, etc. Mais tarde as tinturas passaram a ser aplicadas aos tecidos destinados à confecção de roupas e aos utensílios domésticos.

Entre todos os povos, as diferentes cores assumiram significados diversos, a partir das substâncias e dos fenômenos naturais, familiares a cada população, que elas evocam. Por exemplo, o vermelho que lembra o fogo e o sangue, foi usado pelos antigos povos do Ocidente como a cor dos guerreiros e dos governantes (os que têm o poder de derramar o sangue e levar o incêndio), enquanto os orientais como a cor do vestuário e dos ornamentos para a cerimônia de casamento (o fogo da paixão e o fogo protetor que purifica o novo lar). Esta percepção do efeito psicológico exercido pelas cores constitui a origem da Cromoterapia.

Durante o século XX, pesquisadores das áreas de Biologia e Física se interessaram pela natureza e pelos efeitos da luz; muitas de suas descobertas foram aproveitadas para melhorar a compreensão da Cromoterapia. Hoje se sabe que esta técnica não funciona simplesmente pela sugestão que possa resultar do gostar ou não de uma cor, mas que é um processo complexo que envolve efeitos físicos, emocionais e subconscientes das cores. Físicos porque a existência de uma cor implica a existência de luz com determinadas características de onda e de substância cuja composição química favoreça a absorção ou reflexão dessa luz; emocionais porque as diferentes cores impressionam de modos diversos nosso sistema nervoso, criando estados emocionais diferentes; subconscientes porque, ao fixar a atenção em uma determinada cor, desencadeamos processos inconscientes de controle das funções orgânicas que essas cores evocam.

A Cromoterapia é uma técnica muito suave, que visa reequilibrar a dinâmica da energia do organismo; quando existe algum tipo de agressão ou lesão grave, é necessário atuar diretamente nesse problema. A Cromoterapia nesses casos funciona como uma técnica de apoio: serve para tornar o organismo mais receptivo e aumentar sua resposta às outras medidas terapêuticas necessárias ao caso. O uso isolado da Cromoterapia só é aceitável e eficiente quando o objetivo é a prevenção de doenças (pela adoção de uma rotina de equilíbrio do campo energético do organismo), uma mudança do estado de espírito individual ou coletivo (pelo uso das cores no ambiente) ou a correção de desequilíbrios leves, principalmente quando sugerirem a predisposição para um certo tipo de problema, o que indica a necessidade de uma terapia de reequilíbrio geral.